+55 11 2548-0463 / + 55 11 2548-0414  |   cbdv@cbdv.org.br                                                       Acessibilidade:   Alto Contraste    Aumentar Fonte   Diminuir Fonte  

Amazonense do atletismo leva título da Copa Brasil de powerlifting

Parte do treino para o arremesso de peso e de disco, supino vira paixão na vida de Dernival dos Santos
#Acessibilidade: Dernival está deitado no banco do supino descendo a barra até o peito, com expressão de esforço.
10/11/2019

Por Comunicação CBDV
10/11/2019
São Paulo/SP

A musculação faz parte da rotina do amazonense Dernival Souza dos Santos, afinal, para praticar arremesso de peso e de disco, a força é fundamental. Mas o que era só parte de um treino virou também competição, e neste domingo ele mostrou que não está para brincadeira quando o assunto é powerlifting, o popular supino. Ao erguer a barra com 152,5 kg, ele garantiu a medalha de ouro da Copa Brasil 2019, apenas a segunda edição da qual participou.

Em segundo lugar, ficou Ricardo Oliveira, campeão do ano passado, com 145 kg. Já a medalha de bronze foi para Jorge Souza de Arruda, que conseguiu erguer 100 kg, mas não foi bem-sucedido na tentativa de 105 kg.

"O máximo que consegui levantar oficialmente foram esses 152 quilos e meio, mas em treino já estou indo para 180. E quero vir no ano que vem para 190 quilos", promete o novo campeão, que havia sido vice em 2017 com 135 kg. "Eu sou do atletismo, mas como treino sempre supino, meu técnico perguntou por que eu não competia aqui também, e eu topei", conta.

Ao longo do torneio, cada competidor tem três tentativas para completar o movimento: após tirar a barra do suporte com auxílio do estafe da competição, o atleta precisa esperar o sinal do árbitro tanto para descê-la até a altura do peito quanto para subi-la – quando não é permitido retroceder, ou seja, a partir de determinada altura alcançada no arranque, a tentativa só será considerada válida se for finalizada sem que a barra desça novamente e os braços sejam plenamente esticados.

O powerlifting é praticado por atletas com classificação oftalmológica B1, B2 e B3. A modalidade não está dentro da grade dos Jogos Paralímpicos e chegou há pouco mais de dez anos no Brasil. Os primeiros atletas a representarem o país em competições internacionais foram os integrantes da equipe que disputaram os III Jogos Mundiais da IBSA, em São Paulo, em 2007.

Ricardo, Dernival e Jorge posam com as medalhas de prata, ouro e bronze, respectivamente

Comunicação CBDV

Renan Cacioli

renancacioli@cbdv.org.br

+ 55 11 98769 1371
+ 55 11 99519 5686 (WhatsApp)